Pesquisar

“SCENARIOS DA VIDA” E A TURMA DA MÔNICA

Conheci o cartunista e criador da Turma da Mônica, Mauricio de Sousa, no mês de setembro de 1989. Quem nos apresentou foi sua irmã, Yara Maura Silva, quando da publicação de reedição, pela Scortecci, do livro de sonetos “Scenarios da vida - O cégo e o ateu”, do poeta, compositor e pintor, Antonio Maurício de Sousa, seu pai. A obra, de 1938 e com a grafia da época, fez parte das comemorações de inauguração da Praça Antonio Maurício de Sousa, com o busto de bronze do autor, na cidade de Santa Isabel, Região Metropolitana de São Paulo. A arte da capa foi criação de José Miguel Silva Lara, profissional dos Estúdios Maurício de Sousa. Antonio nasceu poeta, mas também foi desenhista, pintor, compositor — teve várias músicas e canções gravadas —, radialista — atuou nas rádios Piratininga, Cruzeiro do Sul e Marabá —, palhaço de circo, barbeiro, impressor de linotipo e sonhador! Durante muito tempo, quando barbeiro, imprimiu numa máquina de tipos, instalada nos fundos da barbearia, um jornalzinho de título “A Caveira”, com assuntos diversos, que ele mesmo escrevia e editava. De circulação local e distribuído de mão em mão, o jornal vez por outra criticava — ardidamente — políticos, poderosos e religiosos da cidade de Mogi das Cruzes/SP, onde a família morava. Meu encontro com o criador da Turma da Mônica aconteceu nos Estúdios da Mauricio de Sousa, na capital paulista. Maurício foi gentil e atencioso. Palpitou sobre a publicação do livro do pai, a arte final da capa, o texto das orelhas — biografia do autor — e pediu — de pronto — que seu “staff” providenciasse matéria de destaque, sobre a obra e a inauguração da praça em homenagem a seu pai, nas revistinhas da Turma da Mônica. “Você tem filhos?”, perguntou-me. “Tenho.”. E, aproveitando a deixa, acrescentei: “Chama-se Alexandre, e no dia 2 de outubro completa 3 anos de idade.”. Maurício, então, pegou papel e caneta de desenho, cor preta, desenhou a Mônica em um cartão de aniversário e escreveu: “Parabéns, Alexandre”. O cartão — guardado a sete chaves — virou matriz de convite para a sua festa de aniversário. Quando o cartunista Maurício nasceu — primogênito de Antonio Maurício de Sousa — o poeta escreveu este belíssimo soneto intitulado “Nosso Filho”: “És o fructo de um grande e santo amôr... / És a fascinação, és esperança! / A fulgida ventura que o Senhor, / Enviára para nós como lembrança. / Que não tenhas na vida um dissabôr... / Que o teu futuro seja só bonança... / Que ames Deus e teus paes, com tal fulgor, / Como te amamos já, desde creança. / Tranbordaste de amôr o nosso ninho, / E os desejos que temos, tem um brilho / Que é para iluminar o teu caminho. / Já que segues comnosco o mesmo trilho, / Esperamos que Deus, com seu carinho / Faça de ti um bom e nobre filho!”. E, no soneto “Confissão”, expressa o seu amor pela poeta Petronilha de Sousa, esposa e mãe: “Á quem a minha vida já pertence; o encanto que embriaga e que fascina.”. Na apresentação do livro “Scenarios da vida - O cego e o ateu”, seus filhos — Maurício, Mariza, Maura e Márcio — escreveram: “Na sua obra o poeta se perpetua e segue existindo.” O poeta Antonio Maurício de Sousa faleceu na cidade de São Vicente, litoral paulista, no dia 28 de agosto de 1977.

27.01.2022