Pesquisar

JOÃO CABRAL DE MELO NETO E NIETZSCHE, SEM RESSENTIMENTOS!

Aceite-se! Nietzsche vai e volta e não para de “perigosamente” nos olhar no fígado. Sujeito “estranho” e “azedo”. Não sei se gosto dele. Deveria? Ele declina, escala, sobe, mastiga, cospe, arrasta e invade nossas fortes fraquezas. Nossas identidades! Mexe com as nossas parábolas fantasiosas, nossos laços afetivos, nossas resistências inúteis, trágicas e fúteis. Estava lendo um - interessante - artigo sobre a “cultura do ressentimento” e, “de quebra”, sobre a importância do perdão nas relações humanas, quando Nietzsche (Friedrich Wilhelm Nietzsche, 1844-1900) entrou “de bico” na história, por meio da interpretação do articulista: “Você precisa entender a ‘gênese do ressentimento’, precisa ter estômago forte, abrir o seu corpo podre, que exala vingança, ódio e raiva (...) É nele - seu corpo – que mora a moléstia e a enfermidade.(...) O ressentimento – aquele que não sabe perdoar - é uma das condições mais perigosas ao homem! (...) Reconheça a mágoa, não deixe que a raiva te defina.” Fui lendo, concordando, discordando, aceitando, questionando, isso e aquilo. Fui espelho, telhado de vidro, esponja, canga de jumento e até protagonista do “pesadelo” que é a natureza humana. Nietzsche é mesmo um alucinógeno de almas. Mude a conversa! Mude! Alguém soprou no meu ouvido. Quem? Um anjo torto. Um anjo Severino, talvez. Foi o que fiz: mudei-me – de estação e sintonia. Fui à Web, consultei efemérides, abri links de aniversários, respondi versos e me vi - temporariamente - livre, curado do vampiro do Nietzsche. Hoje - dia 9 de janeiro de 2022 - aniversário de nascimento do poeta pernambucano João Cabral (João Cabral de Melo Neto, 1920-1999). Peguei de pronto - de alma lavada - o livro “Morte e Vida Severina”, sem ressentimentos. João Cabral não cansa, não mastiga, não cospe, não arrasta e nem invade nossas desgraças do dia a dia. Olha o que ele me disse, a título de apresentação: “O meu nome é Severino,/ não tenho outro de pia./ Como há muitos Severinos,/ que é santo de romaria,/ deram então de me chamar/ Severino de Maria;/ como há muitos Severinos/ com mães chamadas Maria,/ fiquei sendo o da Maria/ do finado Zacarias.” Parabéns, João! 102 anos não é fácil. Mexe com tudo. Sem ressentimentos!

09.01.2022