A FILÓSOFA HIPATIA E OS MÉTODOS CIENTÍFICOS DA RAZÃO

A filósofa neoplatônica grega Hipatia (351/370 d.C - 415 d.C) foi a primeira mulher da história assassinada por ser uma pesquisadora da ciência. Era filha de Teón, professor de matemática e astronomia, bibliotecário em Alexandria e responsável pela produção, em 390 d.C, de uma versão mais elaborada da obra “Os Elementos”, do matemático platônico Euclides, considerado o Pai da Geometria. Hipatia - seguidora da escola intelectual do pensador Plotino - estudou Lógica e Matemática. Plotino - em sua filosofia - exposta nas “Enéadas” (coleção de escritos editada e compilada por seu discípulo Porfírio, por volta de 270 d.C.), descreve a filosofia neoplatônica em três princípios: o Uno (entidade suprema, totalmente transcendente, além de todas as categorias do Ser e Não-ser), o Intelecto (atividade do intelecto ou da razão, em oposição à atividade dos sentidos) e a Alma do Mundo (força regente do universo pela qual o pensamento divino pode se manifestar em leis que afetam a matéria, ou ainda, a hipótese de uma força imaterial, inseparável da matéria, mas que a provê de forma e movimento). Consta que Hipatia foi autora de um Comentário sobre a Aritmética de Diofanto e um Comentário sobre as Crônicas de Apolônio e uma edição do terceiro livro de um escrito em que seu pai divulgou o Almagesto de Ptolomeu. Infelizmente nada restou dos seus escritos. Todos foram destruídos. No ano de 415 d.C. foi sequestrada e assassinada por uma multidão de monges enfurecidos depois de ser acusada de exacerbar um conflito entre duas figuras proeminentes em Alexandria: o governador Orestes e o bispo de Alexandria, Cirilo de Alexandria. Foi feita prisioneira numa igreja e ali, à vista de todos, golpearam-na brutalmente com telhas. Arrancaram-lhe os olhos e a língua. Quando já estava morta, seu corpo foi despedaçado, seus órgãos e ossos arrancados e depois queimados. A intenção do bispo Cirilo - mandante do crime - não era outra que a total aniquilação de tudo quanto Hipatia significava como mulher da ciência.

24.05.2021