A ESCRITA DEMÓTICA E ROSETA - A PEDRA MAIS FAMOSA DO MUNDO

O legado deixado pelos egípcios na escrita: hieróglifos (sistema de escrita formal usado no Antigo Egito: combinavam elementos logográficos, silábicos e alfabéticos), o hierático (escrita sacerdotal: relativa às coisas sacerdotais, sagradas ou religiosas) e o demótico. A escrita demótica (escrita para o dia a dia) surgiu - provavelmente na região do delta do Nilo - no início da 26º dinastia do Egito (667 a.C. - 525 a.C.). Acredita-se que o Estado egípcio, na época de Psamético I (faraó egípcio da XXVI dinastia egípcia, 690 a.C.- 610 a.C) , tendo em vista a centralização da administração do país (em Saís - parte ocidental do Delta do Nilo, ao invés de Tebas), empenhou-se para que se tornasse padrão no Egito. Antecessora da demótica, a escrita hierática já representava uma grande evolução em relação aos hieróglifos egípcios. Em pouco tempo a escrita do dia a dia passou a ser utilizada na maioria dos registros das atividades dos egípcios. A escrita demótica foi uma das três escritas encontradas na Pedra de Roseta (fragmento de uma estela de granodiorito erigida no Egito Ptolemaico, cujo texto foi crucial para a compreensão moderna dos hieróglifos egípcios). Sua descoberta - no ano de 1799, expedição francesa ao Egito liderada por Napoleão Bonaparte - deu início a um novo ramo do conhecimento, a egiptologia. Sua inscrição guarda um decreto de um conselho de sacerdotes estabelecendo o culto ao faraó Ptolemeu V, no primeiro aniversário de sua coroação (cidade de Mênfis, em 196 a.C). Sua deliberação é registrada em três versões de escrita: a superior foi registrada na forma hieroglífica do egípcio antigo; a do meio, em demótico (variante escrita do egípcio tardio); e a inferior, em grego antigo (língua indo-europeia extinta, falada na Grécia durante a Antiguidade e que evoluiu para o grego moderno). A “Pedra de Roseta” é a primeira peça a ser recuperada na Idade Contemporânea com inscrição “plurilíngue” e desde então é considerada a pedra mais famosa do mundo. Com a Capitulação de Alexandria (tropas britânicas e otomanas derrotaram os franceses no Egito, em 1801), a Pedra de Roseta acabou na posse do Reino Unido e desde 1802 está em exibição no Museu Britânico, em Londres.

23.05.2021