O PRÍNCIPE NICOLAU, OBAMA NOEL E DAHRENDORF

Li o “O Príncipe” do poeta e filósofo Nicolau Maquiavel (1469-1527) nos anos 70 e reli - no início dos anos 80 - quando estudava o assunto “indivíduos na sociedade: papel social” (conjunto de normas, direitos, deveres e explicativas que condicionam o comportamento dos indivíduos junto a um grupo ou dentro de uma instituição) na obra do sociólogo alemão Ralf Gustav Dahrendorf (1929-2009). Aqui fica o registro: Dahrendorf é o “cara” que me salva quando o príncipe político de Maquiavel me tira o sono. Os políticos adoram sua cartilha de malvadezas e a seguem religiosamente. A lista de “sentenças” de Nicolau - Papai Noel do saco roxo - é extensa e digna de pesadelos. Aqui cabe recado da culpa: “pesadelo é para quem está devendo!” Maquiavel anda profícuo e mais atual do que nunca. Algumas máximas do príncipe florentino: “Faça de uma vez só todo o mal, mas o bem faça aos poucos.” “O que depende de muitos costuma não ter sucesso.” “Nunca faltarão ao príncipe razões legítimas para burlar a lei.” “Um governante eficaz não deve ter piedade.” “É mais seguro ser temido do que amado.” E a mais cruel de todas: “O príncipe político que desejar ter sucesso em seu empreendimento deve partir da regra de que as pessoas são más e que na primeira oportunidade elas demonstrarão essa maldade, geralmente traindo o seu superior.” É quando tudo está “quase perdido” que Dahrendorf me chama de dentro e fala com o que de melhor deixou no meu coração: "Nada mais antiliberal que a utopia, que não deixa lugar para o erro nem para a correção". Continuo acreditando nos indivíduos em sociedade - na democracia - e no conjunto de normas, direitos e deveres de um povo justo e fraterno. Erros se consertam! Defeitos se corrigem! O perdão salva! Papel Noel não existe, mas faz falta!  

Obama Noel (Aylton Lafayete) que morreu em 2020, aos 66 anos de idade.

14.03.2021