Dos objetos: certeza a respeito de nada!

Dos objetos. Dos encontros de quarto. Eram seis. No bolso do paletó: um pente de osso, uma tesoura de ponta fina e um dado de seis faces. Trindades. Na gaveta da cômoda: um baton de boca, um dedal de costura e uma chave de porta. Tríades. O que faço com tudo isso? Não sei. Você pode doar ou jogar tudo fora. Eu não quero nada. Nada mesmo?  Nada. E você: algo deste labirinto secreto? Talvez uma história de encontro de objetos. Algo assim: uma chave que abre a porta, um dado de faces no jogo do gozo, um dedal de cozer lençóis e fronhas, uma tesoura de unhas moídas no chão, um pente de bocas molhadas e um coração de baton desenhado no espelho. Faz sentido? Talvez. Lembra uma certeza a respeito de nada.

07.05.2020