Bocejar é Viral e Contamina

Bocejar é viral. Contamina. Alguns dizem que isso acontece porque sua aura está buscando o equilíbrio. Hoje saí para caminhar às 5 da manhã. Fui a pé - ainda sem a bike - até a padaria, para o vício diário do meu café. No bairro conheço todos os madrugadores que saem para meditar, caminhar, correr e agora pedalar. Na subida da Av. Angélica cruzei com o Mestre Matsumoto. Um jovem professor de matemática, já aposentado, na casa dos 70 e poucos anos. Disse-me: “bom dia João” e não parou para conversar. Passou por mim feito uma bala perdida, veloz. Observei-o, pelas costas, admirando sua agilidade e sabedoria. Mais à frente, Matsumoto parou, juntou as pernas e levantou os braços. Andou mais um pouco e repetiu, mais uma vez, os mesmos movimentos. Isso também contamina! Sem medo de estar sendo assaltado por um bandido ou abordado pela polícia, contaminei-me por inteiro. Fui e voltei do café, juntando as penas e levantando os braços. Que delícia! Agora, nas manhãs do meu amanhecer, também levantarei aos céus, os meus dois braços de João. Tomado em assalto, vou me entregar de vez, viral, para o novo dia.