Pesquisar

CASSINI, HUYGENS E A LUZ ZODIACAL DO COMETA

“Cassini-Huygens” foi uma missão espacial não tripulada enviada ao planeta Saturno e seu sistema de luas, em 1º. de julho de 2004, e continuou em operação, até 15 de setembro de 2017. Foi um projeto conjunto da NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço - USA), ESA (Agência Espacial Europeia) e ASI (Agência Espacial Italiana). Entre as muitas descobertas da missão, estão ambientes potencialmente habitáveis nas luas de Saturno, incluindo um oceano de subsuperfície de água na lua “Enceladus”. A espaçonave de duas partes, “Cassini” e “Huygens”, foi assim batizada em homenagem aos astrônomos Giovanni Domenico Cassini (1625-1712) e Christiaan Huygens (1629-1695). Cassini nasceu em Gênova, Itália. Era astrônomo e matemático. Desde cedo, demonstrou interesse em estudar os cometas, corpos menores (segundo a resolução B5, de 24 de agosto de 2006, da União Astronômica Internacional) do Sistema Solar, que, quando se aproximam do Sol, passam a exibir uma atmosfera difusa, denominada “coma”, e, em alguns casos, apresentam também uma cauda, ambas causadas pelos efeitos da radiação solar e dos ventos solares sobre o núcleo cometário. Na imaginação dos “poetas do céu”, é a mulher-deusa, no cio do amor. Um cometa tem uma estrutura física dividida em três partes: núcleo - coração e vida -; cabeleira - alma e espírito de luz -; e cauda - corpo e presença divina. Em 1683, Giovanni Cassini apresentou a explicação correta do fenômeno da luz zodiacal: feixe de luz fraca, quase triangular, visto no céu noturno e que se estende ao longo do plano da eclíptica, onde estão as constelações do Zodíaco. É causada pela dispersão da luz solar nas partículas de poeira que são encontradas em todo o Sistema Solar. Para poetas imortais - guardiões do amor zodiacal –, um acasalamento de cometas e estrelas do sol.

15.09.2021