MÁRIO CAPELO, PROFESSOR PARDAL E O MUCURIPE

Meu tio Mário Capelo (1927-2017) foi o Professor Pardal (personagem de ficção criado em 1952 por Carl Barks, para a Walt Disney Company) da minha - desvairada - infância, isso nos anos 60, em Fortaleza, no Ceará. Infância escrita e versada no livro “Na linha do cerol”, publicado em 2003. Mário Capelo está na página 32 do livro: “Mário Fernão Capello Gaivota era inventor. Leu Cuba de Castro na Voz da América e fez Times com cigarros marca Pall Mall. Até hoje é Papai sabe Tudo. Arauto! Monarquista: apaixonado por reis, rainhas e princesas. No encanto das ideias: um mensageiro de luz. Na sorte dono de uma coleção inteira do Amigo da Onça”. Professor Pardal é o inventor mais famoso de Patópolis, amigo das pessoas e avoado que só ele. Foi no reino da fantasia: Yuri Gagarin, Américo Vespúcio e Peter Pan. Toda “nova invenção” corria e cochichava no pé da doideira do meu pai Luiz, o tubarão preto. “Mário isso é loucura. Não vai dar certo.” Mário Fernão Capello Gaivota não voava. Flutuava! O seu barco viking naufragou no Meireles. Seu foguete explodiu na decolagem. O seu doce coração espanhol foi espada de D'Artagnan e espírito de Hobin Hood. Hoje - sempre que o vejo na memória - navegamos juntos até o céu do Mucuripe. São os olhos do mar! Lá - invariavelmente - mora a doce saudade do sol. Amanhã, 11 de fevereiro de 2021, aniversário de 94 anos de Mário Fernão Capello Gaivota. O inesquecível tio Mário!

10.02.2021