Do carretel com cerol até a boca da goela da arraia!

No Ceará dos anos 60, bilhete viral: de amor, de desprezo, de chamar para briga, fofocar vida alheia e segredar viralizava mesmo era no fio da linha do cerol. Voava do pé do carretel de linha até o céu: na boca da goela da arraia (pipa, papagaio). Era o vento que levava as mensagens, os sonhos e os desejos do tempo. Era assim. O bilhete – telegrama - subia zunindo: rápido e veloz! Bons ventos! Quando o bilhete empacava no meio do destino era sinal de alerta e significava azar ou desgraça. Tudo podia acontecer! Wagner Veneziani (1963-2019), editor da Madras Editora, dizia sempre: Quer falar mal de mim? Então me procure primeiro. E eu conto para você coisas terríveis sobre a minha pessoa! Wagner Veneziani foi um editor odiado e amado. Fez amigos e deixou um legado importante para o mundo do livro. Gostava dele e do uísque servido fartamente no seu estande durante as bienais do livro de São Paulo. Desta vez o telegrama subiu feito rojão. Nada de E-mail, Whatsapp, Facebook, Twitter, Instagram e jogo de fumaça. O bilhete foi de vento mesmo: do carretel com cerol até a boca da goela da arraia.

23.08.2020