Pluralia Tantum


Coleciono de tudo: selos, botões, maços de cigarro, cachimbos, livros antigos, dicionários, canetas, radinhos de pilha e vocábulos que só existem no plural. Doença grave? Depende. Já foi ao médico? Sim e não. Convergimos e trocamos dados. Bytes. Consulta pela web? Sim. Virtual. Doeu? Não. Ficou peladão? Quase. Mostrei a língua. Sabia que eles gravam tudo e depois viralizam na rede? Febre. Não. Oxigenação: 97. Pressão: 7 por 13. Diabético? Não. Bebe? Pouco. Fuma: não. Faz exercício? Sim. Bike e lavo as mãos. Ótimo! Abre a boca perto do webcam. Mostra a língua. Isso. Pode fechar. Acende a lanterna e ilumina o ouvido direito. Isso. Agora o outro. Encosta o aparelho no peito na altura do coração. Marca? Samsung. Modelo A-51. Sistema operacional Android. Bateria fraca? Sim. 15%. Esqueci de carregar. Perdão. Acontece. Você está com Pluralia Tantum. Doença dos vocábulos. Mania de plural. Virose? Não. Bactéria vernacular - resistente - que ataca os nervos da razão. Vou receitar cloroquina de 12 em 12 horas. Durante cinco dias. Vai resolver? Evite usar na sua poética as palavras: óculos, férias, parabéns, condolências, algemas, costas, fezes, núpcias, nádegas, belas-artes, olheiras, cócegas, hemorroidas, arredores, finanças, trevas, pêsames e picles. Picles? Sim. Pote ou lata? Tanto faz. Posso fazer “merda”? Isso é com você. Vai ficar enfezado e com hemorroidas. Minhas condolências!  

05.07.2020