Pesquisar

O ERRANTE DE GIBRAN - NA POÉTICA UM DESTRO GAUCHE

Hoje em um livreto com pensamentos inúteis: “Errar muito não significa que você é um errado na vida. Você é um errante.” A máxima me levou até a obra O ERRANTE do poeta e filósofo libanês Gibran Khalil Gibran (1883-1931) e sua parábola sobre a insatisfação e os desencontros da vida. Gibran foi leitura do inicio dos anos 70. Dois assuntos - atuais e oportunos - chamaram-me a atenção: a febre dos mal-entendidos (ignorância sistêmica) e o desencontro de opiniões (extremistas e radicais) fora do circulo virtuoso das ideias. Sua obra mais conhecida (O Profeta, 1923) figura entre os livros mais vendidos no mundo e foi traduzido em mais de 100 idiomas. Gibran tem o poder de conversar com você. Fala com simplicidade, espiritualidade e profunda sabedoria. Não impõe, não obriga e não castiga. Ele fala - você escuta - e você mesmo lhe responde. Diálogo de almas. Em O Profeta o início do autoconhecimento: “o que poderia lhes falar senão do que está agora movendo dentro de vossas almas?” Não sou um “errado” de tudo. Sou um poeta errante! Na poética eu diria: um destro gauche! Gibran Khalil Gibran nasceu em Bsharri, distrito libanês localizado na província do Líbano Setentrional, no dia 6 de janeiro de 1883. Morreu em Nova Iorque, no dia 10 de abril de 1931, com 48 anos de idade.


21.06.2020