Zenão é um estóico!


Zenão é um estóico! Um sequestrador emocional. Cuspiu no meu pé. Cuspiu e encarou - puxando - briga de galo. Zenão, o que você quer? Seus olhos, disse. Tenho apenas um e meio. Serve? Diga-me uma coisa: respirou três vezes? Não. Faça isso! Rápido. Experiência estóica? Sim. Sobre o quê? Insultos e ataques ao ego. Profundo. Parece interessante. É sua a experiência? Minha, do Sêneca - o jovem - e do safado do Epícteto. Tríade filosófica! E o cuspe no meu sapato? Que cuspe? Não estou vendo nada! Zenão, você é um merda! Calma, João! O troço é complexo e merece reflexão estóica. O conceito é simples: eu cuspi e agora você limpa. Simples. O importante é absorver o insulto. Diga-me uma coisa: você operou as amígdalas? Operei. Então é isso. Você não serve! Preciso “sequestrar” um ego rebelde, estúpido e que tenha amígdalas. Conhece um bom perfil? Muitos. Preciso colocá-lo em perigo e neutralizar o seu comportamento racional. Experiência estóica? Sim. Posso perguntar? Claro. Questão de ordem: use veracidade, alto nível de informação e autoridade. Outra experiência estóica? Não. Um conceito de comportamento. Sei. Eu tenho saco roxo. Serve? Não. Já disse. Eu explico: na hora do cuspe - do insulto emocional - você deveria ter reagido, liberado raiva, energia cósmica e ódio. Muito ódio. É o que você esperava de mim? Era. Perdão. Falha de ego interrompido. Devia ter me dado um soco de arrancar sangue. Perdão. Já perdoei. Esquece. Deve ser porque não tenho amígdalas. E o que faço agora? Espera. Vou ligar para o Sêneca. Segura ai o ego debilitado. Que merda! O celular dele está desligado. Quer um conselho liberatório? Quero. Fica em casa. E limpa o sapato. Que nojo. Está sujo de porra!

24.05.2020