Relógio do Apocalipse

A década de 60 mexeu comigo. Era menino e tudo era motivo de “apavoramento” e “preocupação” além da conta. Os assuntos guerra nuclear, alienígenas e apocalipse eram os preferidos e ocupavam os meus melhores pesadelos. Fiquei sabendo do fim do mundo - contando apenas os últimos 50 anos – umas cinco vezes. Na virada do século a coisa “ferveu” e o tal fim anunciado por oportunistas, profetas, anjos e demônios parecia sem volta. Não aconteceu. Hoje fiquei sabendo da existência de uma engenhoca de nome “Relógio do Apocalipse” criado por uma organização conhecida como Cientistas Atômicos. Na fala - e eu na escuta – a Dra. Rachel Bronson, editora-chefe de um boletim da ONG. Aqui vai o recado aos desavisados: “ os ponteiros do Relógio do Apocalipse foram ajustados nesta quinta-feira (23) e agora marcam 100 segundos para meia-noite — ou o fim do mundo. É o mais perto que o planeta chegou da destruição desde que o Boletim de Cientistas Atômicos passou a fazer a medição simbólica, em 1947.Até a medição de 2020, o Relógio do Apocalipse marcava dois minutos para o fim do mundo. Os cientistas disseram que, desta vez, além do risco de uma guerra nuclear, o planeta passa por riscos relacionados ao meio ambiente e às mudanças climáticas. O recado está dado. Aqui com os meus ossos: antes tarde do que nunca!