Poeta italiano Giordano Bruno

Poeta raiz vez por outra comete heresia. No ano de 1600 o poeta italiano Giordano Bruno foi condenado à morte e queimado vivo pela fogueira da Inquisição do Santo Ofício. Acusação: Heresias cosmológicas! O que Giordano propôs: as estrelas eram sóis distantes cercados por seus próprios planetas. Não satisfeito insistiu em afirmar: o universo é infinito e não há um "centro". Sempre que busco uma estrela no céu lembro-me do dito de Giordano Bruno: “a poesia não nasce das regras”. Eu já cometi uma estrela cadente. Foi no final dos anos 80 publicada em livro de “Quase Tudo”. Giordano repete o mote e insiste em pecar: “A poesia não nasce das regras, a não ser em parte mínima e insignificante; mas as regras derivam das poesias; e, no entanto, são tantos os gêneros e as espécies de verdadeiras regras, quanto são os gêneros e as espécies de verdadeiros poetas”. Das minhas heresias na arte da memória.