Círculos Bumerangues

Das dimensões do dinâmico. Energia e princípio. Encontrei na mídia um belíssimo texto que dizia: “reinventar-se sempre”. Ato contínuo. E o melhor de tudo: tornar a inventar! Interessante saber que o princípio ativo do reinventar-se, na sua origem singular, nasce e “se cria” de um inventar-se qualquer. Metamorfose da criação? Algo de começo e fim. Curvas que se tocam em deus. Pontos e traços do espírito. Olhar-se no céu e buscar a roda de estrelas que é a vida. Círculos bumerangues. Arremesso e fúria de almas. Criados para voltar à mão da sorte e do alvo. História que se repete repetidas vezes. Frações da constelação do destino. Isso vai e volta no tempo. Isso também passa e fica no mistério. Segredar-se! Murmurar amanhãs.