Pesquisar

DIDEROT E O CONHECIMENTO PARA GERAÇÕES ATUAIS E FUTURAS

“Encyclopédie” ou “Dicionário Racional das Ciências, Artes e Profissões”, publicada na França, no século XVIII, foi uma das primeiras enciclopédias publicadas no mundo. Essa grande obra, compreendendo 35 volumes, 71.818 artigos e 2.885 ilustrações, foi editada pelo filósofo, matemático e físico francês, Jean le Rond d'Alembert (1717-1783), e pelo filósofo, tradutor e escritor francês, Denis Diderot (1713-1784). D'Alembert deixou o projeto antes do seu término, e os últimos volumes da obra foram publicados por Diderot. Muitas das mais notáveis figuras do Iluminismo francês contribuíram para a obra, incluindo Voltaire, Rousseau e Montesquieu. De acordo com Denis Diderot, o objetivo da “Encyclopédie” era "mudar a maneira como as pessoas pensam" e incorporar conhecimento universal para gerações daquela época e futuras. Diderot foi um dos primeiros autores que fizeram da literatura um ofício. Iniciou sua carreira como tradutor. Em 1743, traduziu “História Grega”, de Temple Stanyan (1675–1752). Foi, porém, com a tradução de “An inquiry concerning virtue or merit”, do político, escritor e filósofo, Ashley-Cooper (Anthony Ashley-Cooper, 1671-1713), sob o título “Essai sur le mérite et la vertu”, publicado em 1745, que Diderot se tornou conhecido. A primeira peça relevante da sua carreira literária foi “Lettres sur les aveugles à l'usage de ceux qui voient” (“Cartas sobre os cegos para uso por aqueles que veem”), em que sintetiza a evolução do seu pensamento desde o deísmo até ao cepticismo e ao materialismo ateu. Sua obra-prima, “Encyclopédie”, demorou 21 anos para ser editada. Destacou-se também escrevendo romances: “Sterne: A Religiosa”, “O Sobrinho de Rameau”, “Jacques, o fatalista e seu mestre”. Morreu em 31 de julho de 1784, aos 71 anos de idade e está sepultado no Panteão de Paris, na França.

06.10.2021