Cora Coralina: tudo acontece em Goiás!

 Tudo acontece em Goiás. Até o nada. O de ficar ali se olhando - demoradamente - feito vasto mundo. Drummond lhes disse: “Seu Vintém de Cobre é, para mim, moeda de ouro... Aninha hoje não nos pertence. É patrimônio de nós todos, que nascemos no Brasil e amamos a poesia.” Hoje acordei pensando na Anna Lins. Olhos miúdos, sorriso fácil de bom e coração de doceira competente. É hoje, né? Sim. Parabéns! Ela e os Becos de Goiás. Ela e o povo do Rio Vermelho. No nosso único e derradeiro encontro, isso no ano de 1983, na entrega do Troféu Juca Pato, da UBE, merecidamente justo e ganho por você. Veloz e inesquecível. Veio e ficou assim: “Amo a prantina silenciosa do teu fio de água, Descendo de quintais escusos sem pressa; e se sumindo depressa na brecha de um velho cano. Amo a avenca delicada que renasce; Na frincha de teus muros empenados; e a plantinha desvalida de caule mole, que se defende; viceja e floresce no agasalho de tua sombra úmida e calada.”

 Cora Coralina (Anna Lins dos Guimarães Peixoto Bretas), Cidade de Goiás, 20 de agosto de 1889 - Goiânia, 10 de abril de 1985.

20.08.2020