Pesquisar

CLARICE LISPECTOR, JOSÉ SCORTECCI, ALBERTO DINES E A REVISTA PAN

Conheci a obra de Clarice Lispector no início dos anos 1980. Época em que também decidi tornar-me editor de livros e gráfico. Num papo de almoço de família, minha mãe Nilce Scortecci contou-nos, com brevidade, dos muitos negócios que seu pai José Scortecci, filho de italianos, da comuna de Arezzo, na Toscana, havia celebrado ao longo de sua vida: editor, gráfico, proprietário de casa lotérica, comércio de secos e molhados e, por fim, fazendeiro em Dois Córregos, interior de São Paulo. Até então meu avô era apenas o “Seu Nem” que faleceu em 1988, aos 85 anos de idade, que nos anos 1970, vendeu as terras e foi morar na cidade de São Carlos, interior de São Paulo. Foi surpresa saber que o “Seu Nem” havia sido editor e gráfico de um importante semanário brasileiro, na década de 1930. Alguém da família Scortecci - não lembro quem, perdão - presenteou-me com um exemplar da Revista PAN. Isso no início dos anos 1980. Foi nessa época que me tornei, também, cidadão italiano. O assunto ficou sério quando nos anos 1990 solicitei o registro da marca “Amigos do livro” e descobri que nos anos 30 ela havia pertencido ao meu avô. Coincidências não existem!  Nos registros - histórico da marca - descobri também que depois do meu avô a marca havia pertencido comercialmente à editora Record. Em 2008, no Rio de Janeiro, numa reunião comemorativa pelos 200 anos da indústria gráfica, o portal de PAN se abriu e Clarice Lispector ocupou-se de mim. “O que você é do José Scortecci, editor de PAN?” “Neto, respondi”. De volta a São Paulo localizei na cidade de Sorocaba, interior paulista, um colecionador de PAN, que, a peso de ouro, vendeu-me toda a coleção. A Revista PAN, circulou, semanalmente, de 1935 a 1945 e teve 241 edições. Nela presença de Menotti Del Picchia, Silveira Bueno, Monteiro Lobato, Pafúncio, Benjamin Costallat e uma gama de intelectuais. “PAN” foi espaço e também, oportunidade para novos escritores. Por fim, foi o Jornalista e escritor Alberto Dines (1932-2018), que me contou sobre Clarice Lispector e a Revista PAN, número 227, que, em 25 de maio de 1940, publicou “Triunfo”, seu texto de estreia na literatura brasileira. Coincidências não existem!

20.03.2022