Pesquisar

APIEDAR-SE - AFRODITE, PIGMALEÃO E O AMOR DE GALATHEA

Pigmaleão, na mitologia grega, foi um rei da ilha de Chipre, localizada na Bacia do Levante, no Mar Mediterrâneo. Segundo o poeta romano, Ovídio (Públio Ovídio Naso, 43 a.C. - 17 ou 18 d.C) - em sua obra “Metamorfoses” -, Pigmaleão, que também era escultor, apaixonou-se por uma estátua que esculpira em marfim, ao tentar reproduzir a mulher ideal. Ele havia decidido viver em celibato por não concordar com a atitude libertina das mulheres de Chipre, conhecidas como cortesãs. A deusa Afrodite - figura do amor, da sedução e ainda da sexualidade -, apiedando-se de Pigmaleão e, não encontrando em toda a ilha uma mulher que, em beleza e pudor, chegasse aos pés da que esculpira, transformou a estátua numa mulher de carne e osso, de nome Galathea, com quem Pigmaleão casou-se e teve uma filha chamada Paphos, que deu nome a uma cidade portuária na costa sudoeste da ilha. Paphos, habitada desde o período neolítico, tem vários locais relacionados com o culto da deusa Afrodite, local mítico do seu nascimento. O “mito de Pigmaleão” traduz um elemento do comportamento humano: a capacidade de determinar seus próprios rumos, concretizando planos e previsões particulares ou coletivas. Os mitos nos ajudam a entender as relações humanas e guardam em si a chave para o entendimento do mundo. Uma versão moderna da lenda é a peça - musical e depois filme, de 1913 - do dramaturgo, romancista e jornalista irlandês, George Bernard Shaw (1856-1950), em que, em vez de uma estátua transformada em mulher, temos uma mulher do povo transformada em mulher da alta sociedade. Shaw, socialista ardente, escreveu muitos folhetos e discursos para o Socialismo Fabiano, gradual evolução da sociedade por meio de reformas incipientes e de forma "evolucionista", diferenciando-se do marxismo, que prega uma passagem revolucionária. Afrodite, responsável pela perpetuação da vida, do prazer e da alegria sabe o que faz. É quando você - em metamorfose - se torna aquilo que pensa ser, condoendo-se de compaixão, tragédia e amor.

03.11.2021