Pesquisar

FARDA, FARDÃO, BILAC E PATROCÍNIO, EM TEMPOS “VAPOROSOS”

O inventor e industrial francês, Léon Serpollet (1858-1907), foi o pioneiro dos automóveis e bondes movidos a vapor, da marca Gardner-Serpollet. Em 1896, inventou e aperfeiçoou o “flash boiler”, um tipo especial de caldeira, muito mais compacta e controlável, ideal para o uso em veículos. Em abril de 1902, na capital da França, dirigindo seu potente Serpollet, obteve o recorde de velocidade no solo: 120,8 km/h. O primeiro carro da cidade do Rio de Janeiro - um Serpollet a vapor - foi adquirido pelo farmacêutico, jornalista e abolicionista, José do Patrocínio (José Carlos do Patrocínio, 1853-1905), que, no ano de 1897, retornando de Paris, trouxe a novidade. A “máquina” teve vida curta. Na história das “trombadas” literárias, foi o primeiro "arauto" de acidente automobilístico da cidade do Rio de Janeiro, na época, Capital Federal. No volante - na condição de piloto - estava o poeta, inspetor de ensino e membro da Academia Brasileira de Letras, Olavo Bilac (Olavo Braz Martins dos Guimarães Bilac, 1865-1918); e, de copiloto e orientador, o próprio José do Patrocínio. A “máquina” abalroou à velocidade de 4 km/h, na estrada velha da Tijuca. A vítima teria sido uma “árvore” que, bravamente, resistiu ao impacto. A mesma sorte não teve o “vaporoso” Serpollet, que acabou no ferro-velho. É o que dizem. Dizem, ainda, que Olavo Bilac se gabava de ter sido o precursor dos acidentes de automóvel no Brasil. Em crônica publicada no jornal "A Notícia", em 1905, Bilac assim descreve o primeiro automóvel da cidade do Rio de Janeiro: feio, pequenino, amarelo e que deixava um cheiro "insuportável" de petróleo no ar. "Quando havia pane, a garotada, formando círculos em torno do veículo, rompia em vaias." Sinopse dos fatos: poeta, inspetor de ensino, acadêmico, parnasiano, desabilitado, abalroou máquina alheia, no tronco de uma árvore, na Tijuca, “com o afeto que se encerra em nosso peito juvenil”. O resto é fofoca e - de passagem - não faz parte da obra “Farda, Fardão, Camisola de Dormir”, nem das desavenças ideológicas de Amado, o Jorge.

18.09.2021