LIVROS CENSURADOS E QUEIMADOS MAIS INFLUENTES DA HISTÓRIA

O naturalista, geólogo e biólogo britânico Darwin (Charles Robert Darwin, 1809-1882) célebre por seus avanços sobre evolução nas ciências biológicas estabeleceu a ideia que todos os seres vivos descendem de um ancestral em comum. Em 1859 publicou “A origem das espécies” e propõe a teoria de que os ramos evolutivos são resultados de seleção natural e sexual, e a luta pela sobrevivência resulta em consequências similares às da seleção artificial. A obra foi publicada em Londres, impressa por John Murray, com tiragem de 1.250 exemplares. A edição esgotou-se em um dia, e a Igreja reagiu violentamente. O assunto polêmico gerou artigos de jornais, sátiras e caricaturas que debochavam do britânico. Em 1860 saiu uma segunda edição, que também se esgotou em poucos dias. O livro “A origem das espécies” provocou um escândalo na sociedade e foi rejeitado em colégios, bibliotecas do mundo e na comunidade científica. Há registro de que edições inteiras foram destruídas e queimadas. A teoria de Darwin - de que todos os seres vivos descendem de um ancestral em comum - precisou de décadas para ganhar aceitação e reconhecimento da sociedade e da comunidade científica. Hoje a teoria de Darwin é considerada o mecanismo unificador para explicar a vida e a diversidade na Terra. Pesquisa feita no Reino Unido durante a Academic Book Week (2019) elegeu “A origem das espécies” de Charles Robert Darwin a obra censurado mais influente da história. Na lista dos 20 títulos censurados mais influentes da história - a título de curiosidade - aparecem: 1984 (George Orwell), Uma vista da ponte (Arthur Miller), Amado (Toni Morrison), Admirável Mundo Novo (Aldous Huxley), Country Girls (Edna O'Brien), Seus Materiais Escuros (Philip Pullman), Eu sei porque o pássaro engaiolado canta (Maya Angelou), Amante (Lady Chatterley de DH Lawrence), Of Mice and Men (John Steinbeck), Direitos do Homem (Thomas Paine), Versos Satânicos (Salman Rushdie), O apanhador no campo de centeio (JD Salinger), A Cor Púrpura (Alice Walker), As Vinhas da Ira (John Steinbeck), A Metamorfose (Franz Kafka), Para matar um Mockingbird (Harper Lee) e Ulysses (James Joyce). Darwin, em seus últimos anos, publicou outros livros polêmicos: A variação dos animais e plantas sob a ação da domesticação (1868), A descendência humana e a seleção sexual (1871) e Expressão das emoções no homem e nos animais (1872).

20.05.2021