Pesquisar

FILHOS DE ARACATI, DO MAR E DA LIBERDADE

O jangadeiro e abolicionista Francisco José do Nascimento (1839-1914) nasceu em Canoa Quebrada, Aracati (“Terra dos Bons Ventos”, em Tupi-guarani), distante 150 km de Fortaleza, no Ceará. Aracati é hoje um importante polo turístico do estado e, a partir do ano 2000, patrimônio histórico e artístico nacional pelo IPHAN. Os primeiros habitantes das terras de Aracati foram os índios Potiguaras. No início da colonização portuguesa resistiram “ferozmente” aos invasores. Foram aliados dos ingleses e dos franceses, comerciantes de pau-brasil. É terra do revolucionário Eduardo Angelim (lavrador e um dos líderes do movimento Cabanagem, Guerra dos Cabanos, Província do Grão-Pará, em 1835), do romancista naturalista Adolfo Caminha (Adolfo Ferreira dos Santos Caminha, 1867-1897), do bispo católico Manuel do Rego Medeiros (1829-1866), do ator, radialista, locutor e roteirista Emiliano Queiroz, do pianista clássico Jacques Klein (1930-1982) e do abolicionista Francisco José do Nascimento, o Dragão do Mar (ou Chico da Matilde). Em 25 de março de 1884, o Ceará tornou-se a primeira província brasileira a abolir a escravidão. Dragão do Mar contribuiu para essa abolição pioneira. Em janeiro de 1881, liderados por Dragão do Mar e pelo escravo liberto José Luis Napoleão, os jangadeiros se recusaram a transportar para os navios negreiros os escravos que seriam vendidos para o Rio de Janeiro. Posteriormente, em agosto de 1881, houve uma nova tentativa, desta vez para São Paulo, e mais uma vez foram impedidos. Palavras do Navegante Negro: “No porto do Ceará não embarcam mais escravos.”

17.02.2021