Governo Vargas, Semana de Arte Moderna e Revista PAN

Governo Vargas, Semana de Arte Moderna e Revista PAN. Correio Paulistano - lançado em 1854 - foi o primeiro jornal diário publicado na província de São Paulo e o terceiro do Brasil. Teve como fundador o proprietário da Tipografia Imparcial, Joaquim Roberto de Azevedo Marques, e como primeiro redator Pedro Taques de Almeida Alvim. O jornal nasceu liberal e teve posições avançadas, em sua época. Posteriormente, foi atrelado ao Partido Conservador e, após a criação do Partido Republicano Paulista (PRP), passou a ser seu órgão oficial, em junho de 1890. Durante o período imperial foi um forte formador de opinião pública. Notabilizou-se pela defesa da abolição da escravatura e da causa republicana. Foi o único, entre os grandes jornais de São Paulo, a apoiar a Semana de Arte Moderna de 1922, reconhecendo o vanguardismo do movimento modernista - enquanto os demais jornais da época se referiam aos modernistas como "subversores da arte", "espíritos cretinos e débeis" ou "futuristas endiabrados". O Correio Paulistano também se posicionou contra o governo Vargas, sendo por isso empastelado por diversas vezes, durante anos. PAN (Revista PAN, Editorial Novidades, editor José Scortecci) anunciava regularmente no diário Correio Paulistano. Na foto anúncio veiculado em junho de 1936, oferecendo devolver 50% do valor pago pela assinatura anual, na troca por livros da Companhia Editora Nacional.  No anúncio - quadro menor, lado direito, divulgação do primeiro concurso literário promovido pela revista PAN em busca de colaboradores e novos talentos.

05.10.2020