Lendo Linda Palma e Marcos Rey

Conheci Marcos Rey (Edmundo Donato) nos anos 80. Ficamos amigos e sempre que possível, nos encontrávamos nas noites literárias da pauliceia desvairada. Sabíamos da sua doença (hanseníase), mas o assunto era intocável. Foi paralisia infantil? Alguém um dia lhe perguntou. Ele balançou a cabeça – de sim e de não: e sorriu. Era de um bom humor invejável. Estava sempre sorrindo. Por um bom tempo frequentamos a UBE e trabalhamos juntos na indicação de nomes para o Prêmio Juca Pato (Intelectual do Ano). Marcos Rey morreu em 99 e até hoje seus livros são sucessos de venda. Hoje fiquei sabendo pela FOLHA do falecimento da Palma (Linda Palma Bevilacqua Donato) viúva do Marcos Rey, aos 90 anos. Palma era o anjo da guarda de Marcos. Estavam sempre juntos. Inteligente e de um coração maravilhoso. Gostava de livros e era uma leitora voraz. Nos anos 2000, depois da morte do Marcos, me ligou perguntando sobre publicação de livro. Estava escrevendo suas memórias. Eu lhe disse: traga que eu publico! “Não está pronto. Estou ainda colocando a vida no papel”, respondeu. Depois fiquei sabendo que teve um grave AVC e o tempo passou. Não sei se concluiu ou não o livro. Vou procurar saber!