Esse tal de Parmênides

Esse tal de Parmênides é “deveras” interessante. Ele ordena as qualidades (limitado e o ilimitado) dividindo - tudo e sempre - em dois elementos: luz e trevas, positivo e negativo, vida e morte, etc. Parmênides via as mudanças físicas que ocorrem no mundo como uma mistura onde participam o ser e o não ser. Contraste entre a verdade e a aparência. Premonição sobre o hoje? Olha que legal: Pensar sobre nada é não pensar da mesma forma que dizer nada é não dizer. E mais: O ser é e não pode não ser. Fico agora duvidando se de fato existimos no tempo-espaço do cosmo. Cadê o meu René? Deve estar na outra estante ou teria ele sido um “Descartes” de sebo? Ego cogito ergo sum. Volto para as dualidades. Entrei na casa do leitor. E agora? Difícil largar. Uma coisa puxa outra e mais outra. Tudo alfinim. Quem lembrar "dele" um dia foi criança. Será que Parmênides um dia comeu do doce. Não pode não ser!